OPINIÃO

Mexendo na língua

Por Alexandre Brandão*
 
“Um orador de boca cheia é um virtuose de refugos: na cesta de entulhos da literatura vai recolhendo imagens esfiapadas, carretéis perifrásticos, antíteses ruborizadas, prosopopeias trovejantes, metonímias desparafusadas, clips enferrujados, anáforas babadas, tmeses tortas, anacolutos malignos, sinédoques descartáveis e demais tropos e trapos de hiperbólica aceitação no mercado paralelo.” (Paulo Mendes Campos, Congelamento).
 
Ao longo de sua existência, nosso português de todo dia tem sofrido muitas alterações em suas regras ortográficas. Na primeira metade do século passado, trocaram-se “pharmacia” por “farmácia”, “caza” por “casa”, “sciencia” por “ciência”. Recentemente, tiraram o trema de “linguiça” e, cortando na própria pele, de “linguística”. Mataram o trema, eis a verdade. Se a grafia antiga soa, depois de um tempo, estranha, deixar uma determinada grafia de lado não é nada fácil, porque os que a usavam acostumaram-se com um jeito de escrever e, da noite pro dia ou num intervalo de tempo acordado longe de todos, em gabinetes, veem-se obrigados a abandoná-lo e adotar outro. A última reforma, presente em nossa memória e bastante contestada em Portugal, prova isso. 
Tenho comigo que, ao mudar uma grafia, não só a relação das pessoas com a palavra é modificada, como também a coisa nomeada por ela ganha um novo destino. “Pharmacia”, durante muito tempo, foi o local onde os medicamentos eram preparados e vendidos — o que atualmente chamamos de farmácia de manipulação. Ao trocar “ph” por “f”, abriu-se caminho para a proliferação das farmácias, que passaram a vender remédios (e não só) produzidos em laboratórios. Quando se escrevia a palavra à moda antiga, na minha cidade natal, não devia haver mais que duas. Hoje, no quarteirão da minha casa, no Rio de Janeiro, são três, e, ao longo da rua com seus dois quilômetros, quinze ou mais. Estamos mais doentes? Temos mais possibilidades de nos curar? A doença e sua cura sustentam uma indústria rentável? Tudo isso é verdade, mas a mudança ortográfica impingida à palavra reinventou o negócio e garantiu o sucesso comercial do estabelecimento farmacêutico.
Quando fui alfabetizado, escrevia-se “êle”, “almôço”, “govêrno”. Concordo que ficou mais fácil escrever essas palavras sem o acento, entretanto, assim como o homem sem chapéu perde um pouco de sua necessária formalidade, ao perder o acento circunflexo, a palavra que designa a terceira pessoa do masculino jogou essa terceira pessoa na vala da vulgaridade. Pense nas refeições feitas atualmente: cada membro da família num canto da sala, com o prato no colo e a cabeça nas nuvens do celular. Isso seria possível no tempo do “almôço”? Nunca! Nem falo em governo (que, cauteloso, não volto a escrever na grafia cerimoniosa de antanho). Tenho de fazer uma pequena reflexão sobre a palavra “ela”, sempre escrita sem o adorno do circunflexo. Quer dizer que as mulheres foram e são vulgares? Muito pelo contrário, um chapéu a mais ou a menos não as diferenciaria em nada, razão pela qual não se acentuava a palavra antes e não se passou a acentuá-la depois da reforma levada a cabo durante a ditadura militar. Vulgar são os homens. (Ufa, acho que me saí bem.)
Reformas ortográficas têm sido feitas aos borbotões, só que ninguém mexe naquilo que facilitaria nossas vidas. Acompanhem meu raciocínio.
Você sabe o que são as perífrases? Não? Puxe pela memória. Perífrase é, segundo o Aurélio, a “designação de alguém ou de algo por construção que dê relevo a uma de suas qualidades, e não por seu nome”. O exemplo do dicionário é “a luz de minha vida em lugar de meu amor”. Talvez, feito eu, você conhecesse a “coisa”, mas nunca soube seu nome — ou, se soube, não o reteve.
Sem querer abusar de sua paciência, vou ao fundo do fundo buscar a palavra “tmese”, sinônimo de mesóclise, quer dizer, a “intercalação de pronome átono em um verbo”. Um exemplo da minha cachola: “Dir-te-iam, em áureos tempos, que andamos às cegas rumo ao fim do mundo.” Uma frase meio pessimista, mas esqueça sua mensagem, a frase tem a única intenção de ilustrar o que vem a ser uma tmese. 
As palavras anteriores e outras tantas, mal-encaradas em sua essência, fazem parte do que poderia ser visto como o suprassumo da gramática. Todos passaríamos bem sem elas caso não enfrentássemos tantas provas ao longo da vida de estudante. Provas que, nesse caso específico, foram apenas uma cobrança da nossa capacidade de memorização. 
Meu texto quis apenas isto: chamar a atenção para os efeitos das mudanças no terreno da língua. (Acabo de escrever uma catáfora, “unidade linguística que se refere a outra, enunciada mais adiante”). Como os exemplos que citei provam por a mais b, as mudanças ortográficas repercutem na vida real, que vibra muito além da palavra escrita (o que podemos esperar do mundo lusófono sem o trema?). Sendo assim, um conselho, a essa altura óbvio, aos sabichões que porventura resolvam dedicar seu precioso tempo à exigida simplificação: muito cuidado com as consequências que podem advir daí. Pensem, ponderem. Repensem e ponderem mais uma vez. De qualquer modo, pelo amor ao deus das coisas triviais, corram o risco. Antevejo, de cara, um efeito colateral positivo na mudança: facilitará a decoreba, melhorando, com isso, a nota da moçada.
* É escritor passense, mantém o blog `No Osso` (http://noosso.blogspot.com) e seu e-mail é. O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
- Toda opinião divulgada neste espaço é de total responsabilidade de quem a emite.
- Esta opinião pode ser lida também nas seguintes redes sociais: Facebook (passosmgonline), Twitter (@eziosantos), Google+ (Ézio Santos) e pode ser compartilhada.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

22-
E
09
15
B
08
07
18
Yama-16.03.14
13
24-
11
WELLS---160816
03
05

 

 

 

 

Leia mais

Cursos oferecidos na região...
Período de 29 de maio a 3 de junho FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL PROMOÇÃO SOCIAL Macramê Sindicato dos Produtores Rurais de Cássia (35) 3541-1486 29/05/17 a 01/06/17 Cássia Trabalhador de manutenção de roçadeiras, motosserras e similares /...
Santa Casa de Passos protesta...
PASSOS (MG) - Uma grave crise tem afetado a saúde financeira dos hospitais filantrópicos em Minas Gerais, instituições sem fins lucrativos que oferecem à população serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS), como cirurgias, partos, internações, atendimentos de...
Regional da LPD prossegue...
PASSOS (MG) - A segunda rodada do Campeonato Regional de Futebol Amador da Liga Passense de Desportos (LPD), troféu João Batista Marciano, será aberta neste sábado (27) com três jogos, todos às 15h30. Pelo Grupo 1, em São João Batista do Glória, o time da casa recebe a Praça de Esportes...
Unimed é destaque no Top of...
BELO HORIZONTE (MG) - Pelo 22º ano consecutivo, a Unimed recebeu o prêmio Top of Mind – Mercado Comum – Marcas de Sucesso de Minas Gerais 2017, na categoria Excelência. A solenidade foi realizada no dia 22 de maio, no Automóvel Clube de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Além disso, a instituição...
Vereadores aprovam doação...
CARMO DO RIO CLARO (MG) - Depois de insistentes pedidos por parte dos vereadores, a Prefeitura Municipal enviou o Projeto de Lei (PL) número 021 de 2017 para a votação. O documento trata da doação de área para o Estado de Minas Gerais, onde será construído o novo fórum da cidade. Os...
Festas Juninas: Cemig orienta...
BELO HORIZONTE (MG) - O mês de junho está se aproximando, e com ele, chega uma das mais populares festas do Brasil: os 'arraiás' juninos. E como muitas pessoas já estão se preparando para instalar as tradicionais decorações típicas destes eventos, seja nas ruas, escolas ou residências,...
Prefeitura e CMS alinham...
PASSOS (MG) - Uma reunião entre representantes da Administração Municipal de Passos, membros do Conselho Municipal de Saúde (CMS) e representantes da Câmara Municipal aconteceu na tarde de quinta-feira (25), na sede da prefeitura, para alinhar as informações sobre a disponibilidade de medicamentos na...
Senar distribuirá folderes...
PASSOS (MG) - O Senar Administração Central abraçou a prevenção da Febre Amarela (transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti) junto às outras unidades nos estados. A partir deste mês, folderes sobre a doença, sua transmissão, prevenção e tratamento estão sendo...
Moradores reivindicam volta...
CARMO DO RIO CLARO (MG) - Representantes dos usuários da balsa do Itapiché fizeram uso da palavra na reunião desta semana. Além de pedirem providências definitivas para o retorno da travessia da balsa, fizeram denúncias que serão apuradas por uma comissão de vereadores, que deve ser votada na...
Município de Passos recebe...
PASSOS (MG) - O Município recebeu nesta quarta-feira (24), um ônibus para a Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secel). O ato formal de entrega aconteceu em Belo Horizonte, na sede da Secretaria de Estado de Educação, com a presença do prefeito Carlos Renato Lima Reis, o Renatinho Ourives, e o...