OPINIÃO

Ética no esporte

Por Samuel Sabino e Roberto Armelin*
Talvez você já tenha ouvido a expressão “o esporte forma caráter”. Porém, já parou para se perguntar de onde ela vem? Por que alguém ligaria o esporte ao caráter, a moral, a uma postura ética, em primeira instância? Para chegar a esse entendimento, o ideal é começar definindo as razões para a ética e para o esporte. A ética tem como sentido a condução da vida e tem seu propósito maior na conquista da felicidade. Já o esporte tem seu sentido na saúde e bem estar, e para o seu propósito a formação do sujeito ético.
O esportista busca a felicidade através da vitória, acima de tudo - o que já é o fim ético por si só. Porém, ele ainda é uma pessoa que tem seu meio de vida dentro de regras de conduta, trabalho em equipe, respeito aos adversários e torcida, ou seja, um comportamento que o leva à vitória de forma justa e coerente com as regras que escolheu seguir. Essas são as características de um sujeito ético, em quem o esporte acaba por potencializar a busca pela felicidade intrínseca ao indivíduo.
Olhando dessa forma, ética e esporte são extremamente ligados. O esporte é realmente um potente construtor do caminho ético. De acordo com os primeiros filósofos gregos, o ser humano nasce vicioso, com uma conduta baseada no erro, e a partir disso, os pais, mestres, professores, ou treinadores, nesse caso, têm o dever de identificar e corrigir esses erros de conduta. Temos no esporte um meio prático, coerente e potencializador desse aprendizado. Através da prática esportiva, o professor incute a boa conduta no indivíduo vicioso, tornando essa atividade extremamente importante na formação, sobretudo nos primeiros anos de vida.
Um indivíduo vicioso está sujeito a muito mais infelicidade em sua própria vida, o que o leva a lidar mal com o próximo e levar muito mais infelicidade para os que estão ao seu redor. O vício é o erro, a má conduta. Para nós, brasileiros, ou mesmo para os sul americanos, pode-se traduzir na forma da “malandragem” ou o tal do “Jeitinho Brasileiro”, por exemplo, que é uma má astúcia muitas vezes celebrada nos países da américa do sul (“la mano de Diós”, ou melhor: de Maradona), quando na verdade não passa de uma postura egoísta e sem méritos.
Isso, portanto, não é um defeito exclusivamente brasileiro. Os gregos, inclusive, já demonstravam isso em seus mitos, o que tem uma importante repercussão ao longo da história, como foi observado por Joseph Campbell em sua teoria da Jornada do Herói, um ciclo de atividades que representa ciclos comuns à vida de qualquer pessoa, e que eram alegoricamente narrados como histórias na antiguidade.
Para Campbell, a jornada de vida de todo ser humano repete alguns passos que são iguais, em vários pontos, para todo mundo, e eles sempre estão ligados ao enfrentamento e superação de um obstáculo, que quase sempre é interno e tem a ver com um vício moral. Na vida cotidiana, o esportista pode buscar um grande contrato, jogar uma competição mundial. Para os gregos, esse exemplo universal era bem definido e representado na Odisseia e nos Doze Trabalhos de Hércules. Essas são histórias famosas, nas quais os heróis, Odisseu em uma e Hércules em outra, passam por provações até superar seus vícios e só assim se qualificarem para alcançar a felicidade.
Dentro do campo (ou da quadra, da piscina, tatame, e etc...), o desafio não se limita a superar o(s) adversário(s), mas implica com igual importância a luta contra a conduta que só pensa em si mesma, que abandona o outro e só busca o lucro pessoal, seja ele financeiro ou desportivo: a vitória “de qualquer jeito”, através de atalhos ou trapaças. É o que acontece quando um atleta se aproveita de um erro de arbitragem, simula uma falta, induzindo a arbitragem em erro, ou se beneficia de qualquer infração das regras da modalidade desportiva. A conduta ética ideal é a da autocorreção, mesmo que haja um prejuízo desportivo imediato na disputa. Por exemplo, um jogador pode “cavar” um pênalti inexistente, e com essa marcação incorrera, ser beneficiado, potencialmente ganhando vantagem decisiva em um jogo difícil; ou prezar pela conduta ética correta e buscar a vitória sem esse artificio, assumindo o risco da derrota.
Talvez ele perca o jogo? Sim, mas a conduta vem em primeiro lugar. A intensão é o que conta dentro do campo. Isso tem um peso de responsabilidade e pressão dentro do jogo, tanto de adversário quanto de companheiros, e para o esportista tomar a atitude mais nobre é muitas vezes um dilema difícil de ser vencido. A condição se estende para fora do campo, quando o prejuízo afeta as torcidas, que quase sempre questionarão o jogador por ter escolhido ser ético e ter “perdido a chance de ganhar”, mesmo que se saiba que seria uma vitória injusta.
Muitas vezes, sobretudo em esportes populares, o inconsciente coletivo da sociedade, por vários segmentos, demandarão do esportista a conduta menos nobre, a da trapaça. Afirma-se que isso “faz parte do jogo”, quando na verdade a atitude diz muito mais sobre a condição ética daquela sociedade. Evidencia-se que a cultura abraça o erro, a corrupção, o crime, que é conivente com valores errados, sobretudo quando os traz vantagens, mesmo que em situações mais simples.
O peso do dilema ético é uma dificuldade do esportista, tanto quanto treinar seu corpo. Treinar sua mente e conduta é igualmente desafiador, pois só assim ele se desvincula de valores errados, perpetuados em uma sociedade falha, e busca através de seu modelo, incentivar uma conduta superior no jovem: sejam aqueles que vêm o atleta como exemplo e querem praticar a mesma modalidade desportiva, sejam aqueles que torcem pelo êxito do atleta. O caso é que atualmente a própria sociedade tem buscado uma proximidade maior com a conduta nobre dentro do esporte, e cada vez mais se cobra dos esportistas que se siga esse modelo positivo. É uma mostra da mudança social que vai de fora do esporte para ele, e vice-versa.
A emoção e a legitimidade do esporte, que fomenta a potência de praticar e torcer, está ligada à imprevisibilidade do resultado desportivo, que só é total e real quando as condutas são éticas, quando há igualdade de oportunidades agindo para que chances sejam igualmente adequadas em ambos os lados de uma competição. Assim, o esportista realmente melhor preparado é quem tem chances de vitória, mesmo com o acaso agindo como intensificador da emoção de se acompanhar o esporte. A espontaneidade não surge de um cenário onde há o vício agindo para trapacear. A verdadeira vitória está em justamente se superar os obstáculos competitivos dentro das regras da modalidade desportiva. O vencedor só é realmente vencedor se ele enfrenta de igual para igual seu adversário. O lucro maior está aí.
Uma questão relevante que se coloca nesse prisma é: qual a cultura ética a sociedade quer praticar, o que determina como introduzir a conduta ética aos jovens e, pois, usar o esporte, essa potente ferramenta, para desenvolver a conduta ética das novas gerações.
Queremos gerações mais éticas ou a competição pelo resultado independentemente do meio usado?
Nota: Para abordar o tema, o IBDEE irá realizar no dia 9 de novembro, o evento “Direito, Ética e Vinho”, onde enfatizará a ética no esporte, sobretudo, no futebol. Há disponibilidade para cobertura da imprensa.
* É fundador da consultoria Éticas Consultoria, filósofo, mestre em bioética e professor.
* É advogado, um dos fundadores do IBDEE, ex-diretor jurídico do São Paulo FC, presidente da Comissão de Direito Desportivo do IASP, professor de Direito Processual Civil e Processo Desportivo da PUC/SP, mestre e doutorando.
- Toda opinião divulgada neste espaço é de total responsabilidade de quem a emite.
- Esta opinião pode ser lida também no Facebook (Ézio Santos e passosmgonline) e pode ser compartilhada.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

07
22-
08
09
13
15
05
24-
E
Yama-16.03.14
11
WELLS---160816
03
B
18

 

 

 

 

Leia mais

Vereadores conseguem...
CARMO DO RIO CLARO (MG) - Os vereadores Juliano Alves da Silva, presidente da Câmara, Angela Maria Souza Vitor e Sandro Deoclésio de Oliveira, e José Antônio Marques, integrante da Comissão Paritária das Balsas, foram até São José da Barra, na sede de Furnas Centrais Elétricas, cobrar...
Emidinho destina emendas à...
BELO HORIZONTE (MG) - O deputado Emídio Madeira, o Emidinho, esteve na sede do governo de Minas, nesta quarta-feira (22), juntamente com os representantes da Apae de Paraguaçu e do Lar São Vicente de Paulo, de Itaú de Minas (foto), para assinar o 'Termo de Fomento'. As duas entidades receberão R$ 40 mil, cada...
Câmara vai homenagear 12...
PASSOS (MG) - A Câmara Municipal de Passos promove reunião especial nessa quinta-feira (23),  para a entrega de títulos honorários de Cidadão Passense e de medalhas do Mérito Legislativo. Ao todo, 12 personalidades vão ser agraciadas. A cerimônia tem previsão de início às 19h...
Açúcar e afeto nos cursos...
BELO HORIZONTE (MG) - Após três meses de aulas, Gleicinara Natália de Castro, de 24 anos (foto),  e mais 47 jovens do bairro Novo Horizonte, de Passos, receberam a certificação de conclusão dos cursos de organização de eventos, confeitaria e mecânica de motocicleta. “Foi a melhor...
FLIPassos é aberta na Casa...
PASSOS (MG) - Aconteceu na manhã desta quarta- feira (22),  na Casa da Cultura, a abertura da 2ª Feira Literária de Passos (FLIPassos) organizada pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secel). Antes mesmo da abertura oficial, os alunos do Ensino Médio da Escola Estadual DoutorTancredo...
Designação: Educação...
BELO HORIZONTE (MG) - Já estão disponíveis para consulta as listagens classificatórias das inscrições dos candidatos que manifestaram interesse em participar do processo de designação para trabalhar na rede estadual de ensino em 2018. O sistema da Secretaria de Estado de Educação (SEE)...
CPN promove o VI Fest...
PASSOS (MG) - O Clube Passense de Natação (CPN) realizou dia 19 deste mês, a partir das 7h, o VI Fest Thriatlon, que reuniu competidores de Passos, São Sebastião do Paraíso, Pratápolis e Franca. Os atletas correram, pedalaram e nadaram nas ruas de Passos e nas dependências do clube. Os mais de 100...
Senhor dos Passos trabalha...
PASSOS (MG) - Imagine uma instituição onde todos são assistidos de acordo com suas necessidades individuais. Com a proposta de formar alunos críticos e solidários, a escola Senhor dos Passos trabalha com a constante renovação pedagógica e didática partindo da educação infantil...
Coletivo Soul promove eventos...
PASSOS (MG) - Dia 25 de novembro é o Dia Internacional de Combate à Violência contra as Mulheres. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU). Em Passos, o Coletivo Soul Mulher, com o apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social promove neste sábado (25), partir...
Sala Mineira do Empreendedor...
PASSOS (MG) - A Sala Mineira do Empreendedor é uma parceria entre o Sebras/Minas, a Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg) e a prefeitura de Passos, que consiste em melhorar e simplificar o ambiente de negócios em todo o Estado, atuando lado a lado com a Administração Municipal, oferecendo apoio para...